terça-feira, 16 de maio de 2017

Hate - "Tremendum" (2017)

Napalm Records

Mundo Metal [ Lançamento ]



Um dos lançamentos mais aguardados pelos admiradores de Metal extremo, o Hate, veterano grupo do Death Metal polonês, entrega neste mês de maio o seu decimo disco de estúdio, sucessor de “Crusade:Zero” (2015), e que conta com nove faixas que juntas totalizam pouco mais de 45 minutos de audição. Esse é o primeiro disco da banda a contar com apenas dois membros oficias no line up, diferente de seu antecessor, “Tremendum” conta somente com o lendário Adam “the First Sinner” Buszko na guitarra e voz, e Paul “Pavulon” na bateria.

Mais uma vez, o Hate aposta em um Blackened Death Metal certeiro e os traços melódicos continuam bem presentes nas composições, esta é uma característica que já pode ser chamada de corriqueira, já que os últimos lançamentos do grupo seguiram esta fórmula. Ainda comparando com alguns dos registros mais recentes dos poloneses, é inegável que “Tremendum” segue à risca a linha musical de “Crusade:Zero”, ainda que este novo lançamento seja um pouco mais visceral e menos progressivo, a pegada é exatamente a mesma.


A musicalidade reflete tudo aquilo que se espera de um álbum do gênero, desde a atmosfera densa e pesada, até os riffs cadenciados, repetitivos e que se posicionam de forma a contrariar a rápida e furiosa bateria, tudo é tecnicamente muito bem executado e a de se enaltecer o trabalho vocal do “do primeiro pecador”, nesse quesito Adam prova mais uma vez o por que de ser considerado um dos melhores e mais versateis vocais guturais em atividade. 

As nove faixas do álbum são exageradamente homogêneas, e aí não posso deixar de fazer uma crítica severa, pois se por um anglo de visão temos um disco nivelado pela alta qualidade técnica, por outro temos musicas que soam muito parecidas umas com as outras. Certamente uma maior variação de riffs e principalmente, linhas de bateria mais complexas e criativas, seriam bem vindas. O que me parece é que faltou um pouco de ousadia por parte da banda, uma vez que poderiam experimentar algo fora da sua zona de conforto e resolveram não saír de sua zona de conforto. Deixo claro que tais ressalvas jamais servem para desqualificar o álbum, só que mais uma vez o Hate grava um bom disco, e mais uma vez esse disco se parece com o seu anterior, um ouvinte de primeira viagem irá amar, um que conhece a banda há tempos e conhece todo o seu potencial, nem tanto.


Como mencionado acima às faixas são todas homogêneas e você poderá gostar de qualquer uma delas, o pré requisito para isso é apenas ser fã de música extrema, não vou nomear destaques individuais, somente uma exceção será feita e é justamente com relação a ultima musica do disco, “Walk Through Fire”. Muito do encanto que está música exercesse sobre o ouvinte é devido as suas variações progressivas e melódicas, essa é sem duvidas, a canção mais elaborada do álbum e a melhor composição de “Tremendum” com larga folga. 

Por fim, é possível avaliar que esta nova empreitada do Hate é um trabalho bem coeso e linear, ainda que não apresente nada de muito novo em sua musicalidade, a banda mais uma vez produziu um registro que se não pode ser chamado de acima da media, fica bem longe da famigerada lista de discos que desagradam. A grande maioria dos ouvintes de Metal extremo deverão ter uma audição bem tranquila, não é nada que vai mudar a sua vida, mas garante alguns bons minutos de diversão.   


Nota: 7


Formação:

Adam “the First Sinner”(vocal e guitarra)
Paul “Pavulon” (bateria)

Faixas:

01. Asuric Being  
02. Indestructible Pillar  
03. Svarog's Mountain  
04. Numinosum  
05. Fidelis ad Mortem  
06. Into Burning Gehenna 
07. Sea of Rubble  
08. Ghostforce  
09. Walk Through Fire


Redigido por Vitor Hugo Quatroque

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...