segunda-feira, 24 de abril de 2017

Sacred Reich/Exciter - South American Tour

Clash Club - São Paulo - 19/02/2017

Mundo Metal [ Live Review ]



Quando as lendárias bandas Sacred Reich e Exciter anunciaram três shows em território brasileiro, muitos fãs de Thrash e Speed Metal foram ao delírio e não é para menos, uma vez que estamos falando de dois grupos importantíssimos para seus respectivos estilos e que dispensam grandes apresentações. Em São Paulo, as bandas se apresentaram na casa de shows Clash Club, localizada na região da Barra Funda. Como já era de se esperar, os apreciadores da boa música pesada puderam conferir um evento maravilhoso e memorável.

A abertura da casa ocorreu por volta das 17h e de pouco em pouco, o público foi lotando o interior da Clash Club. Algum tempo depois, subiu ao palco a primeira atração da noite, o Blackning, grupo oriundo de Santo André – SP e que já vem se firmando como uma das melhores bandas de Thrash Metal do cenário nacional atual. O Power Trio encabeçado por Cléber Orsioli (vocal/guitarra), Francisco Stanich Jr. (baixo e vocal de apoio) e Elvis Santos (bateria) possui até o momento dois ótimos álbuns de estúdio, “Order of Chaos” (2014) e “Alienation” (2016) e executou uma apresentação intensa, visceral e muito eficiente. Um excelente aquecimento para os shows principais.

Pouco mais de 19h, foi a vez dos veteranos estadunidenses do Sacred Reich. Por mais incrível que pareça, é a primeira vez que essa banda marcante toca em nosso país e evidentemente muitos apreciadores do grupo compareceram para prestigiar o seu show. Aliás, antes mesmo da apresentação se iniciar, uma parcela do público já estava aglomerada na frente da pista da casa, ovacionando o nome da banda, cantando trechos de algumas de suas composições mais marcantes e claro, loucos para abrir o mosh. 

Quando Phil Rind (vocal/baixo), Jason Rainey e Wiley Arnett (guitarras) e Greg Hall (bateria) surgiram em cena, todos foram ao delírio! O clássico matador “The American Way” deu início ao show, seguida da literalmente ignorante “Ignorance”, acompanhado por um mosh violento e muito apropriado do público. Em seguida, o incrivelmente carismático e sempre sorridente frontman Phil Rind faz um breve discurso mencionando que demoraram muito para vir ao Brasil. 

O show prossegue com “One Nation”, seguida da excepcional “Love...Hate”. O público e a banda interagiam bastante, com todos agitando e curtindo cada instante. Na sequência, Phil faz um elogio a todos os presentes, dizendo que todos eram pessoas bonitas e decide pedir para tirarem uma foto com o público. Após a foto ser tirada, ele menciona que gosta muito de registrar fotos das belas mulheres que vão a seus shows. Depois desse momento de pura descontração e carisma, o frontman anuncia que irão tocar a sua composição favorita do álbum “Independent” (1993), a cativante “Free”. As obrigatórias “Crimes Against Humanity”, “Who's to Blame” e “Independent” também foram tocadas na sequência, assim como o clássico cover de “War Pigs” (Black Sabbath). Curiosamente, Tony Iommi, guitarrista do Black Sabbath, completou 69 anos nesse mesmo dia.

Antes de darem continuidade a apresentação, Phil pede para os presentes promoverem um moshpit na música seguinte, a esmagadora “Death Squad”. Quando a música termina, o frontman agradeceu a todos e deu a entender que o show havia terminado, o que certamente não era verdade, pois muitos já pediam em alto e bom som a última música do setlist, que só poderia ser a mais que obrigatória “Surf Nicaragua”. Eis que a banda retorna ao palco e manda esse tremendo clássico, encerrando o show de forma apoteótica e impecável. Ao término da apresentação do grupo, apenas rolavam elogios por parte dos presentes e não deveria ser diferente, uma vez que a banda, além de extremamente competente e profissional, não apenas executou os seus grandes clássicos com uma precisão minuciosa, como também é dona de um carisma e simpatia dignos de nota. Que não demorem mais 30 anos para retornarem ao Brasil!

Por sua vez, às 21h10, Dan Beehler (vocal/bateria), Allan Johnson (baixo) e John Ricci (guitarra), os mestres do Speed Metal canadense Exciter sobem ao palco, ovacionados por todos. Antes de iniciarem a sua apresentação, o excepcional vocalista e baterista Dan Beehler interage com o público, questionando se eles gostariam de ouvir um Old School fucking Heavy Metal. Tal pergunta foi respondida com um uníssono “Sim!” e dá–lhe “I Am the Beast”, do clássico “Long Live the Loud” (1985), que já fez com que todos “bangueassem” e agitassem intensamente. 

Beehler agradece a presença de todos e após um breve discurso, anuncia a música seguinte do setlist, “Rain of Terror”, a faixa de abertura de “Kill After Kill” (1992). O hino “Heavy Metal Maniac” foi tocado logo após e claro, teve sua letra cantada a plenos pulmões por muitos dos presentes. “Iron Dogs” foi executada a seguir, fazendo com que o público bangueasse no mesmo ritmo grudento da música. Em seguida, o público ainda pode conferir “Victims of Sacrifice” e “Under Attack” e para variar, todos permaneceram agitando e curtindo sem parar. Contudo, nem tudo estava as mil maravilhas. Dan Beehler estava visivelmente incomodado com algo na bateria e tal incômodo viria a repercutir na duração da apresentação da banda.  

Pouco antes de executarem a música seguinte, Dan chama o público de “brazilian fucking manics” e em seguida, apresenta cada um dos integrantes. O que veio a seguir? Uma sequência de clássicos, é claro: “Violence and Force”, “Rising of the Dead”, “Pounding Metal”, “Beyond the Gates of Doom” e “Long Live the Loud”, que encerrou o show de maneira estranha e precoce. É perceptível quando uma banda termina a sua apresentação de uma forma descontente e pelo semblante de Beehler, já era possível notar que o músico não estava completamente satisfeito com o instrumento que estava tocando. Também era claro que a banda teria, pelo menos, mais umas duas ou três músicas para tocarem, entretanto, apesar desse detalhe moderadamente lamentável, foi uma apresentação de qualidade e bem feita. 

Em poucas palavras, as três bandas estão de parabéns pelo espetáculo. Como mencionei anteriormente, foi um evento realmente memorável e repleto de qualidade. E que venham muitos outros desse naipe e certamente virão, meus caros apreciadores da belíssima música pesada. 


Sacred Reich

Integrantes:

Phil Rind - Vocal & Baixo
Jason Rainey - Guitarra
Wiley Arnett - Guitarra
Greg Hall - Bateria

Setlist:

1. The American Way
2. Ignorance
3. One Nation
4. Love...Hate
5. Free
6. Crimes Against Humanity
7. Who's to Blame
8. Independent
9. War Pigs (Black Sabbath cover)
10. Death Squad

Encore:
11. Surf Nicaragua


Exciter

Integrantes:

Dan Beehler - Vocal & Bateria
Allan Johnson - Baixo
John Ricci - Guitarra

Setlist:

1. I Am the Beast
2. Rain of Terror
3. Heavy Metal Maniac
4. Iron Dogs
5. Victims of Sacrifice
6. Under Attack
7. Violence & Force
8. Rising of the Dead
9. Pounding Metal
10. Beyond the Gates of Doom
11. Long Live the Loud


Redigido por David Torres

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...