domingo, 31 de julho de 2016

Da série superações: Rick Allen (Def Leppard)


Já ouviram falar sobre Rick Allen? Quem é fã de Def Leppard aqui? Ele assumiu as baquetas do Def Leppard em 1978, tinha algumas características em seus shows, não usar camisetas, usar tênis sem meia, luvas pretas e seus calções estampando a bandeira da Grã-Bretanha, isso chamou a atenção na época e os holofotes foram voltados para ele desde o início.

Porém o ano de 1984 não acabou bem para o até então jovem baterista, exatamente no dia 31 de Dezembro do ano acima citado, Rick sofreu um acidente de carro. Dirigindo-se para uma festa de ano novo na casa de sua família, Allen tinha vinte e um anos e desafiado para um famoso "racha" de carros, aceitou o tal desafio, mas o desfecho não saiu como o esperado. Logo a frente, Allen não viu uma curva e perdeu o controle do seu Corvette e ao ser arremessado para fora do carro, teve seu braço esquerdo arrancado por conta do cinto de segurança mal colocado. O braço de Allen até foi reimplantado, mas por causa de diversas infecções, não houve jeito, precisou ser retirado.

Esse acidente custou alguns compromissos profissionais para o Def Leppard, que perdeu sua apresentação no primeiro Rock in Rio. Foram substituídos pelo Whitesnake as pressas, isso foi no começo de 1985.

Esta poderia ser uma triste história mortal, triste e desanimadora. Mas não para um cara que contém o Heavy Metal pulsando firme em suas veias!

Rick Allen voltou para o Def Leppard em grande estilo, retornando inclusive às paradas com o álbum Hysteria, em 1988. Mas inevitavelmente (claro), teve que se adaptar a uma maneira nova de tocar bateria, desta vez o músico passou a usar camiseta, calça jeans, sem luvas e agora descalço (rs). Para o acompanhar nas apresentações, usa uma bateria totalmente adaptada aonde os controles de ritmo estão todos nos pés, tocando assim, com o seu único braço. Após "Hysteria", ainda receberíamos outros álbuns, como: "Adrenalize" (1992), "Retro-Active" (1993), !Vault: Def Leppard's Greatest Hits" (1995), "Slang" (1996), "Euphoria" (1999), "X" (2002), "Best Of Def Leppard" (2004), "Rock of Ages: The Definitive Collection" (2005), "Yeah!" (2006), "Songs from the Sparkle Lounge" (2008) e "Mirrorball" (2011).

Allen não tem problema algum ao se adaptar a uma maneira "nova" de tocar, o próprio Joe Elliott afirma:

Na maior parte do tempo, eu fico de costas pra ele, então, consequentemente, eu só o ouço. E eu esqueço. Ele manda muito bem e um braço, três braços, dois braços, quem é que se importa, né?

Nada superará o amor pelo Metal, Rick Allen abre oficialmente este artigo que trarei ao Mundo Metal, sobre superações. E por falar nisso, você leitor, indica quem para uma próxima edição?

por Maykon Kjellin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...