sábado, 17 de junho de 2017

Wolfpakk - "Wolves Reign" (2017)

AFM Records

Mundo Metal [ Lançamento ] 



Pra quem ainda não conhece essa maluquice aqui, o Wolfpakk é um projeto ambicioso idealizado por Mark Sweeney (ex-Crystal Ball) e Michael Voss (Mad Max, ex- Michael Schenker’s Temple of Rock), e ‘Wolves Reign’ é o quarto álbum de estúdio dos caras num espaço de 7 anos. Eu digo ambicioso porque esses senhores aqui são ambos vocalistas e ainda assim tiveram a idéia de convidar mais cantores em suas músicas, fazendo de cada trabalho um paraíso pra quem se amarra em linhas vocais. Dessa vez, Voss e Sweeney recrutaram o modesto número de 26 músicos (sim, VINTE E SEIS, não foi um erro de digitação) para se juntarem em mais essa jornada ao curioso e sempre divertido mundo do Melodic Heavy Metal com boas pitadas de Hard Rock e AOR.

Toda essa informação pode parecer alarmante ao ouvinte desavisado e até chato pro nego que só quer ouvir um Metal direto, sem frescuras e um milhão de duetos (ou trietos, como é o caso aqui), mas te garanto que esse é um álbum bem fácil de digerir. Como eu disse acima, há 26 músicos convidados em ‘Wolves Reign’, então pelo bem da minha sanidade e no espírito de não te confundir completamente, vou mencionar só alguns deles e deixo pra você descobrir o resto ouvindo os sons (ok, ok, eu vou deixar um link depois da resenha com toda a galera, não chora).

“Falling” inicia o play com boa dose de energia, bem no estilo AOR. Fãs de Kiske/Somerville, Voodoo Circle e afins vão amar a música e seus riffs despretensiosos e mudanças de ritmo. As duas melhores faixas vêm na sequência e elevam bastante o nível: “Run All Night” vê um Mike Vescera (ex-Loudness, ex-Yngwie Malmsteen) voando alto com seus gritos únicos. Os pedais duplos da batera combinam perfeitamente com o coro enquanto a atmosfera Heavy/Power forma uma boa sinergia entre as vozes de Vescera, Voss e Sweeney, enquanto “Blood Brothers” serve como a parte primitiva a crua do álbum, contando com a participação mais do que especial da lenda Biff Byford (Saxon). As linhas de baixo são mais evidentes aqui, o que resulta numa quantidade considerável de groove e tempero extra à experiência, cortesia de Marc Lynn (Gotthard).


Outras canções, como “Wolves Reign” e “I’m Onto You” alimentam as barriguinhas dos entusiastas de Hard Rock, com a primeira sendo mais slow-tempo e a segunda mais perto do que o Shakra esta acostumado a fazer no departamento de riffs, com uma porrada mais direta e aquela atitude “na cara”. “No Remorse” poderia facilmente figurar em algum play do Avantasia, tanto que Oliver Hartmann (Avantasia, ex-At Vance) dá sua contribuição no refrão cheio de açúcar. É uma música decente, mas na real não encaixa muito bem com toda a idéia do produto final do álbum.

“Inside the Animal Mind” é um hino mais rock ‘n’ roll com aquela vibe “motoclube”; Jiotis Parcharidis (Victory, ex-Human Fortress) faz um ótimo trabalho em manter as vibrações mais amenas e despretensiosas com seu vocal simples mas poderoso. Já “Scream of the Hawk” volta ao lado mais melódico das coisas e conta com mais uma lenda dos microfones: Steve Grimmett (Grim Reaper) empresta seus pulmões aos lobos, mas curiosamente não soa como normalmente. Sua voz parece longe e extremamente comprimida, o que eu culpo nos processos de mixagem e masterização. “The 10 Commandments”, “Mother Earth” e “Tomorrowland” foram construídas para formar a parte mais épica do trabalho, e enquanto que a primeira é tocada de uma forma segura e branda demais e poderia facilmente ser deixada de fora do play completamente, a segunda é decente, apesar de não conseguir seu propósito de ser profunda e significativa. É muito longa e estática; com metade do tamanho o resultado seria exatamente o mesmo, então parece extremamente desnecessária. A terceira parte dessa trilogia épica é a única que realmente tem energia. Os coros no refrão e a construção da faixa mais do que superam o mínimo de qualidade necessária, provocando um ótimo clímax.


Em suma, ‘Wolves Reign’ é um bom e heterogêneo álbum de Melodic Heavy Metal. Não é uma obra ultra-inteligente, cheia de camadas complexas ou uma magnum opus, mas acho que esse nem era o objetivo de Sweeney e Voss, pra começar. É divertido, grudento e vai entregar bons momentos pra cantar junto no carro ou no som de casa, mas definitivamente não vai te fazer cagar na calça com sua grandiosidade. Se aproxime da alcatéia lentamente, não faça nenhum movimento brusco ou peça mais do que esses velhos lobos podem oferecer, e você vai conseguir se infiltrar no “wolfpakk” sem problemas. 

Nota: 7.4

*Nota The Metal Club: 7.4

Formação: 

Mark Sweeney (vocal)
Michael Voss (vocal)
Convidados: http://www.wolfpakk.net/index.php/en/media-en

Faixas:

01. Falling 
02. Run All Night 
03. Blood Brothers
04. Wolves Reign
05. No Remorse
06. Inside the Animal Mind
07. Scream of the Hawk
08. The 10 Commandments
09. Mother Earth
10. Tomorrowland
11. I'm Onto You

Redigido por Bruno Medeiros

*A nota do site The Metal Club é sujeita a modificações de acordo com as avaliações dos seus usuários. Acesse, avalie e veja se sua nota bate com a nossa!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...