quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Helloween: Michael Kiske conta tudo sobre a reunião!


Em uma recente entrevista à rádio espanhola TNT Radio Rock, o vocalista Michael Kiske conversou abertamente sobre praticamente todos os aspectos que envolvem o seu retorno ao Helloween, confira os melhores momentos da entrevista abaixo.

Sobre o seu atual relacionamento com o guitarrista Michael Weikath:

"Sim. Foi uma longa história e não aconteceu da noite para o dia. Começou quando comecei a envelhecer e de alguma forma, dentro de mim, percebi que as coisas haviam mudado ao longo dos últimos três ou quatro anos, foi algo que eu nem percebi. O início realmente se deu quando eu o encontrei no Sweden Rock  Festival, acredito que em 2013. A primeira coisa que ele me disse foi: "O que eu fiz que você não pode me perdoar?" Essa foi a primeira frase que ele disse para mim e eu percebi que eu já o tinha perdoado, de alguma forma, há muito tempo e sem nem mesmo perceber. É assim que tudo começou. E também, olhando de volta para os anos após a minha saída do Helloween, eu ganhei muito com isso. Ter de ficar por conta própria, ter que ser responsável por registros e até mesmo todas as coisas dolorosas que eu passei, eu ganhei tanto com isso em um nível humano que eu realmente não posso estar com raiva mais. Às vezes não é fácil para as pessoas entenderem, quando você diz algo parecido, mas foi fácil para mim esquecer tudo e começar a conversar com ele novamente, porque eu percebi que tudo era bom para mim. Eu era tão abençoado espiritualmente, especialmente durante todo esse tempo, que eu não quero perder isso, realmente, então eu não posso realmente ficar com raiva."

O que realmente motivou a sua decisão de se juntar novamente ao Helloween:

"Nos últimos anos, os caras do Helloween estavam sempre mandando estes sinais. Mais e mais em entrevistas, eles estavam sempre mencionando o quanto gostariam de fazer algum tipo reencontro ou turnê comigo e Kai juntos .Eles estavam sempre enviando esses sinais, que eu achei meio confusos no início, eu não sabia o que pensar sobre isso, mas também era uma boa coisa a se fazer. Isto me ajudou a chegar ao ponto que após um grande show na Espanha, na verdade com o Unisonic, tivemos três shows muito bons em 2014 na Espanha, e no último show, Kai disse algo como: "Michael, se nós nunca mais fizermos nada de novo sob o nome Helloween, somos dois perfeitos idiotas". E antes disso, um ano antes na verdade, havia encontrado Weiki como eu disse antes e eu apenas respondi, "Quer saber Kai, estou aberto!". E foi assim que tudo realmente começou, Kai tem muito a ver com isso, ele estava apenas colocando essa possibilidade no momento perfeito, ele queria fazer isso e eu estava junto com ele por tantos anos, tanto no Helloween como no Unisonic, nós gostamos disso, então foi meio que, "Talvez esta fosse a próxima coisa a se fazer de alguma forma"."

Como funcionará os shows da "Pumpkins United Tour", cada vocalista cantará canções de sua época?

"Isso é muito importante, é claro que vai acontecer, quero dizer, não é o tipo de reunião usual que você veria porque ninguém está saindo, você sabe, nós estamos apenas nos juntando ao grupo e fazendo tudo juntos, como comemorando trinta anos da banda e, claro, eu vou estar cantando as músicas que eu fui conhecido por cantar no Helloween, como o os sons de "Keeper Of The Seven Keys Part I" (1987) e "Keeper Of The Seven Keys Part II " (1988) principalmente. Andi irá levantar a bandeira da sua fase e em seguida, escolheremos as músicas fortes para que Kai possa cantar um pouco de "Walls Of Jericho" (1985). Então, penso em fazer alguns duetos talvez e nós fazermos alguma troca onde eu posso cantar uma canção da fase Andi e vice-versa, outras coisas podem rolar também, estamos tentando tornar o show interessante e nós colocamos um monte de dinheiro lá para ter esse show interessante, com telas grandes e etc. Queremos que isso seja uma coisa muito especial no final. Tendo em vista todos os anos em que essa banda existe e todos os discos que foram lançados, há um monte de coisas que podemos realmente escolher."

Por que não fazer uma reunião usual, simplesmente descartando os membros mais novos, optando por uma formação clássica tocando apenas o material da primeira era da banda?

"Quando eu disse para o Kai que estava aberto para uma reunião do Helloween, é claro que eu tinha em mente apenas tocar os "Keepers" com um novo baterista, mas eu gosto muito mais da maneira que estamos fazendo isso agora, porque eu acho que isso envia uma mensagem muito agradável. Mesmo quando você é um desafeto por um longo tempo de sua vida, você pode resolver isso e perdoar. Mesmo se você estava realmente ferido e as coisas estavam muito ruins para você durante um certo tempo, há sempre uma possibilidade de enterrar esse sentimento e perdoar. Eu nunca havia conhecido Andi antes e pela primeira vez eu o encontrei, nós nos demos muito bem, tivemos uma conexão muito boa como pessoas. Eu acho que é uma ótima idéia fazer a reunião desta maneira, com todos envolvidos e como uma equipe, acho que isso envia uma mensagem muito positiva".

Por que o guitarrista Roland Grapow não está envolvido nesta reunião:

"Até onde eu sei, eles o chamaram e ele não aceitou fazer. Essa foi a informação que me foi passada. Ele provavelmente ainda está magoado e eu sei como ele se sente... Quando essas coisas ainda estão frescas, é difícil."

Sobre a possibilidade de em uma próxima turnê, o Helloween tocar os dois "Keeper Of The Seven Keys" na íntegra:

"Nós não podemos tocá-los inteiros. Estaremos chegando perto de três horas de show, isso significa que ele não pode ter os dois registros sendo executados na íntegra. Haverá as canções-chave e nós podemos até alterá-las aqui e ali, queremos tornar o show muito equilibrado, onde ambas as fases são igualmente cobertas, tanto a fase do Andi quanto a minha fase e também quero fazer alguns duetos e coisas assim, portanto, temos muito o que escolher em vez de simplesmente tocar tudo dos "Keepers", mas vai haver uma grande parte deles".
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...