quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Resenha: Raptore - 'Rage n' Fever' (2016)


O Raptore é uma banda fera novinha em folha de La Plata, Argentina, e esse aqui é o debut dos caras. Formado em 2012, o grupo cheira à leite, mas as aparências enganam, meu amigo; lançaram uma demo em 2014 e ganharam atenção considerável no underground graças à riffs cortantes e vigorosos e muita influência dos anos 1970 e 1980, época que seu pai ainda era feliz porque não tinha uma aberração como filho. ‘Rage n’ Fever’, como eu disse acima, bebe na fonte deliciosa do Metal Tradicional e é composto por uma bateria dinâmica e enérgica conduzida por Maxi Lere, ótimos leads nas guitarras gêmeas de Ruso Hellfire e Nico Cattoni e linhas de baixo monstruosas cortesia do garoto Michel Amir. Nico também fica a cargo dos gritos, e seus agudos – apesar de às vezes usar em demasia o falsete – não são irritantes e suas notas mais altas não parecem artificiais, além de combinarem perfeitamente com a atmosfera do álbum. Músicas como “Night on Fire” e “My Own Grave” tem aquela pegada Blitzkrieg que vai deixar os fãs molhadinhos, enquanto “Evil Hand” e “Runner of Death” apostam em um som um pouco mais rápido (similar ao Thrash, inclusive), todos com passagens de baixo muito, muito altas que, aliás, é o instrumento mais proeminente e confiado pelos hermanos.


Fãs do Accept da época ‘Russian Roulette’, Ambush, Ranger (em menor escala), Stallion, Evil Invaders, RAM, Enforcer, Metaluria e da NWOBHM em geral vão cear no banquete metálico que é ‘Rage n’ Fever’. A versão de Heavy Metal dos anos 1980 desses infantes é rápida, agressiva, ousada e cheia de atitude, e o play entrega diversão extrema do início ao fim (rápido fim, infelizmente, já que o trabalho não passa de 36 minutos). Banger, coloque seu cinto de bala, jaqueta jeans cheia de patches e aquele tênis sujo cano alto que já anda sozinho e entregue-se à porradaria e destruição do Raptore até você vomitar de tanto bater cabeça. Duvida? Amigo, a capa é um Mustang em chamas com uma caveira em combustão de piloto, caindo de um penhasco. Não existe coisa mais true que isso.


Nota: 8


Integrantes:

Michel Amir (Baixo)
Ruso Hellfire (Guitarra, Baixo)
Nico Cattoni (Guitarra, Vocal)
Maxi Lere (Bateria)

Faixas: 

01. Rage n' Fever
02. Night on Fire
03. My Own Grave
04. The Flame
05. Evil Hand
06. Time Has Come
07. Runner of Death
08. Back in the Oven

Por Bruno Medeiros