terça-feira, 24 de março de 2015

HAVOK


É nítido o auge que o Thrash Metal vive desde que os anos 2000 se iniciaram, uma nova geração muito boa vem surgindo e lançando grandes trabalhos ao mesmo tempo em que muitos medalhões do estilo vem também voltando a empolgar com álbuns que remetem as suas sonoridades características.

Com a união do "velho" com o novo, o Thrash é hoje um dos subgêneros mais cultuados do Metal. Depois de ter passado a década de 90 com seus maiores ícones lançando álbuns com sonoridades bem diferentes das de seus clássicos álbuns dos anos 80, o estilo amadureceu e voltou com tudo no novo século.

Uma das bandas que mais me chamam a atenção e que pertence a esta nova safra de grupos é o Havok. Formada em 2004 em Denver, Colorado, o grupo vem, ano após ano, fincando seu nome como grande destaque no estilo e conquistando cada vez mais fãs e seguidores.

Possuem total inspiração nas bandas que ajudaram a moldar o estilo em seu surgimento e conseguem trazer toda essa influência de uma forma bem moderna, porém sem jamais deixar de receber a alcunha "old school". Cada um dos álbuns lançados mostra grande evolução e características bem marcantes e próprias na sua musicalidade já bem definida.

Os 3 trabalhos do Havok são provas vivas de que o Metal não vive apenas de bandas nascidas na década de 80 e mostra para qualquer ouvinte desavisado que a nova geração do Metal possui muita competência e tem tudo para alçar voos muito altos.


Burn (2009) - Álbum de estréia. Uma verdadeira viajem ao mais puro Thrash Metal oitentista. Músicas cheias de viradas repentinas, riffs marcantes, solos muito bem elaborados e os vocais de David Sanchéz, que caem como uma luva na sonoridade da banda. Faixas como The Root Of All Evil, Morbid Symmetry, Category Of The Dead e Afterburner caíram imediatamente nas graças de todos os apreciadores do estilo.


Time Is Up (2011) - Na minha visão, este trabalho já pode ser considerado um novo clássico do Thrash. Simplesmente uma evolução natural do debut, mas com inspiração e criatividade muito acima do esperado. Destaco todas as faixas mas algumas se tornaram indispensáveis nos "set lists" do grupo. Fatal Intervention, D.O.A., Covering Fire e a faixa título Time Is Up são composições que, sem dúvidas, se tornarão hinos do estilo e clássicos da banda.


Unnatural Selection (2013) - Muitos dizem que o terceiro álbum é a consolidação da banda, se essa afirmação realmente é um fato, podemos afirmar que o Havok passou no teste. Unnatural Selection apresenta todas as principais características dos dois registros anteriores e ainda consegui dar mais um passo e revelar canções cadenciadas e cheias de riffs, que acrescentam novos elementos na sonoridade da banda. Worse Than War e It's True são a prova desse exito, Give Me liberty, Or Give Me Death, Unnatural Selection e I Am The State mostram o Thrash habitual do grupo e fazem com que o trabalho mantenha a qualidade sempre apresentada.

Em 2015, o Havok lançará o seu quarto "full lenght" e desde já, é um dos mais aguardados lançamentos do ano na minha visão, deve colocar a banda em definitivo no mais alto escalão do Thrash e quem ainda não escutou os trabalhos do grupo, está perdendo tempo e deixando de apreciar uma das melhores bandas que surgiram nos últimos anos. Lembre-se:


"Follow me into the void
Of emptiness that fills your mind
Think of all the bullshit
You will get to leave behind
On your feat for sentencing

Your time is up
Time is up
Your time is up
Time is up"


Escrito por Fabio Reis