quarta-feira, 13 de julho de 2016

Live Review: Krisiun - Forged in Fury Tour 2016


SESC Pompeia - São Paulo – 09/07/2016

Após terem realizado uma apresentação brutal na sexta-feira, 08/07, a banda gaúcha de Death Metal Krisiun retorna ao SESC Pompeia para mais uma noite regada a mais genuína violência sonora. Quem acompanha o trabalho do trio de irmãos sabe bem que a porrada come solta no show dos caras e é claro que na apresentação realizada em 09/07, feriado da Revolução Constitucionalista de 1932, não foi nem um pouco diferente.

Por volta de 19h30, as luzes se apagam e uma introdução ecoa pelo local, até que Alex Camargo (vocal/baixo), Moyses Kolesne (guitarra) e Max Kolesne (bateria) sobem ao palco, ovacionados por todos. Como sempre, o carismático frontmen profere o seu tão conhecido jargão: “Boa noite, São Paulo! O Krisiun está aqui!” e já mandam “Ravager”, do excelente “Conquerors of Armageddon” (2000), seguida do hit “Combustion Inferno”, de “Southern Storm” (2008). Como podem ver, o show começou extremamente bem e é importante ressaltar que em momento algum a coisa toda esfriou.

No momento, a banda promove o seu mais recente trabalho, “Forged in Fury”, lançado no passado e é claro que não poderiam deixar de tocar composições do novo álbum. A primeira a ser tocada foi “Scars of the Hatred”, seguida da velha conhecida “Vengeance's Revelation”, do matador “Apocalyptic Revelation” (1998). Poderosa que só, “Vicious Wrath”, de “AssassiNation” (2006), deu sequência a apresentação, recebida calorosamente por todos. Outra canção nova foi executada pouco depois, “Ways of Barbarism”. É importante ressaltar que o desempenho ao vivo das músicas novas foi igualmente fantástico, jamais ficando abaixo do padrão das demais composições que foram tocadas. Sem dúvida já integram o time das composições de peso da banda.


Tendo em mente que se trata de um show do Krisiun e o caos e a destruição não tem fim, Alex e cia. prosseguem com a fabulosamente insana “Apocalyptic Victory”. Dona de um refrão marcante e viciante, “Blood of Lions”, de “The Great Execution” (2011), surge na sequência e é igualmente um arregaço indescritível. A banda faz uma pequena pausa e Alex diz que irão tocar um cover em homenagem ao maior frontmen da história da música pesada. Os presentes ovacionam em coro “Lemmy! Lemmy! Lemmy”, se referindo, é claro, ao infelizmente falecido vocalista e baixista do Motörhead, o lendário Lemmy Kilmister. O som executado é simplesmente a clássica “Ace of Spades”. 

É importante mencionar que durante a apresentação tivemos um breve solo de bateria de Max Kolesne como de costume e Alex Camargo fez um discurso muito interessante sobre a sua banda ser contra a postura de tratar de assuntos políticos no palco. O músico foi bem direto e disse que o palco deve ser um espaço reservado exclusivamente para música. Nem preciso dizer que esse discurso serviu como uma resposta direta e reta a respeito de uma declaração dada recentemente por uma banda bem conhecida no meio do Underground do Metal nacional, não é mesmo? 

“Sentenced Morning”, uma das faixas mais legais de “Southern Storm”, é tocada a seguir. Simplesmente esmagadora! Sem perder o pique por um segundo que seja, ainda tivemos as arrasa-quarteirões “Hatred Inherit” e “Slain Fate”, a estonteante “Kings of Killing” e a obrigatória “Black Force Domain”, que encerrou a apresentação de forma brutal, simples, direta e... Épica!

O que falar à respeito dessa apresentação? Ora, Krisiun é Krisiun, simples assim! Não tem conversa fiada com esses caras. É paulada atrás de paulada, e do mais alto nível! Longa vida a esses gaúchos que nos orgulham cada vez mais a cada dia.

Hail Krisiun!







Integrantes:
Alex Camargo (Vocal/Baixo)
Moyses Kolesne (Guitarra)
Max Kolesne (Bateria) 

Setlist:
01. Intro
02. Ravager
03. Combustion Inferno
04. Scars of the Hatred
05. Vengeance's Revelation
06. Vicious Wrath
07. Ways of Barbarism
08. Apocalyptic Victory
09. Blood of Lions
10. Ace of Spades (Motörhead cover)
11. Sentenced Morning
12. Descending Abomination
13. Hatred Inherit
14. Slain Fate
15. Kings of Killing
16. Black Force Domain

Texto e imagens por David Torres
Vídeos por Bruno Faustino