sexta-feira, 13 de maio de 2016

Pink Floyd – The Dark Side Of The Moon (1973)



Pink Floyd sem dúvidas é um dos maiores nomes do rock progressivo e psicodélico, formado em 1965 a banda inglesa sempre trouxe letras filosóficas, capas, shows e experimentações nas suas músicas inovadoras.

Após uma turnê no Reino Unido e Japão o grupo começou a ter ideias para um novo disco, Roger Waters propôs que a ideia principal fosse que as composições focassem em “coisas que cansam as pessoas” e então Roger, Nick e David trabalharam na criação do novo material e ensaiavam em segredo em um armazém em Londres que pertencia á banda Rolling Stones e depois seguiram os ensaios no Teatro Rainbow.

A banda adquiriu vários equipamentos incluindo uma mesa de mixagem já com a intenção de usa-la no novo trabalho que foi apelidado de The Dark Side Of The Moon, mas depois de descobrirem que o nome já era utilizado pela banda Medicine Head decidiram que o disco se chamaria Eclipse e descobriram que o disco do Medicine Head foi um fiasco comercial optaram pelo nome inicial.

A gravação do disco foi de Maio de 1972 á Janeiro de 1973, a demora na gravação foi por motivos banais, principalmente com os abandonos de Roger para assistir séries de tv ou partidas de futebol e também por pausas para os membros da banda ficarem com suas famílias, pois, como de costume, Pink Floyd sempre inovando, decidiu sair em turnê antes mesmo das gravações serem concluídas, mas o nome da turnê já denominava-se “The Dark Side Of The Moon Tour” tendo passagem pela Europa, Canadá e Estados Unidos fazendo com que a banda revisse e melhorasse as atuais músicas a cada apresentação.



The Dark Side Of The Moon é o álbum mais conceitual da banda, com uma sonoridade apenas progressiva, cheio de técnicas e uso de sintetizadores o álbum contém dez faixas incluindo “Time”, “Brain Damage”, “Eclipse” e a “Money” como mais populares mundialmente. As faixas contam com vocal de apoio de um grupo de quatro mulheres e um saxofonista contratados á parte pela banda.
Uma curiosidade sobre a gravação é que Roger criou vários efeitos sonoros para a música “Money” utilizando dinheiro de verdade (moedas mais propriamente ditas).

A banda nega qualquer relação entre o álbum e o filme, mas outra curiosidade é que o disco executado na íntegra coincide com cenas de Dorothy no filme “The Wizard Of Oz” (O Mágico de Oz).

Inegavelmente The Dark Side Of The Moon é uma obra prima atemporal, clássico absoluto para todo fã de Pink Floyd e de rock progressivo. 





por Rafaela Souza