sábado, 5 de dezembro de 2015

Top 10: Os mais influentes álbuns de Thrash Metal



Todos sabemos que existe uma infinidade de subgêneros dentro do Metal. Em todos eles, alguns álbuns em específico são de suma importância para o amadurecimento do estilo em questão.

Chamamos de “pilares de sustentação”, os trabalhos que ajudaram a moldar a sonoridade de determinado estilo. Nestes discos, as bandas conseguiram criar padrões musicais e embutiram características e elementos que foram utilizados por diversas outras bandas e por fim, se tornaram referência de como o subgênero deveria soar.

Hoje vamos listar 10 álbuns que são considerados pilares de sustentação para o Thrash Metal. Deixo claro que não se trata de uma lista dos melhores discos, mas sim de álbuns que além de se tornarem clássicos, tiveram influência direta e contribuíram na formação do padrão musical do estilo.

O Thrash como muitos outros, foi sendo lapidado conforme as bandas evoluíam e lançavam seus discos. Com isso, é muito natural que o estilo fosse ganhando características e aos poucos, se lapidando até se transformar no que conhecemos hoje.

Eis aqui, uma lista de 10 registros essenciais para quem quiser entender um pouco mais sobre o Thrash Metal e observar a sua evolução. Os álbuns não estão listados por relevância e sim dispostos em ordem cronológica.

São eles:

1 - Metallica - Kill ‘Em All (1983)

Apesar da história de que o Metallica seja o “criador” do estilo seja uma tremenda mentira, a banda pode sim se orgulhar de ser a primeira a gravar um álbum de Thrash. Mesmo com uma sonoridade que remete muito mais ao Speed Metal, em “Kill ‘Em All” já estão presentes diversos padrões musicais e características importantes do estilo. Justíssima a alcunha de “marco zero” do Thrash Metal.




2 - Exodus - Bonded By Blood (1985)

Além do Exodus ter uma importância enorme e ter dado uma contribuição bem substancial na formação do gênero, “Bonded By Blood” é o único disco de estréia que pode ser considerado 100% Thrash Metal e não poderia jamais deixar de ser mencionado.




3 - Slayer - Reign In Blood (1986)

Com dois ótimos álbuns lançados a banda ganhou muita visibilidade, mas foi com a chegada de “Reign In Blood”, que todas as atenções se voltaram ao Slayer. Indo contra todas as tendências, o grupo apresentou um trabalho unânime e sem ressalvas. Com músicas curtas, aceleradas e repletas de rifs pegajosos, o registro se tornou disco de cabeceira de 9 em cada 10 músicos do estilo e dita tendências até os dias de hoje.




4 - Destruction - Eternal Devastation (1986)

Ao mesmo tempo que o Thrash explodia nos EUA, a Alemanha revelava nomes importantíssimos para a cena e mostrava uma sonoridade bem diferente das bandas americanas. O Teutonic Thrash possuía nomes que se tornariam ícones do estilo e “Eternal Devastation”, segundo álbum de estúdio do Destruction, talvez seja o melhor exemplo de como esse tipo de musicalidade podia obter grandes variações. Os timbres de guitarra e os riffs de Mike Sifringer se tornaram totais referências a outros grupos.




5 - Metallica - Master Of Puppets (1986)

Após o “boom” do Thrash, o Metallica encabeçava a lista de nomes mais importantes do estilo, evoluíam a cada álbum e em “Master Of Puppets”, conseguiram causar um alvoroço gigantesco. Em termos de musicalidade, prefiro o anterior “Ride The Lightnig”, mas como o critério é escolher discos que se tornaram pilares de sustentação, o terceiro registro da banda trouxe novos elementos e mostrou definitivamente que o estilo poderia se tornar extremamente popular.




6 - Anthrax - Among The Living (1987)

O Anthrax era a banda que possuía um maior potencial comercial entre as grandes do estilo. Com instrumental agressivo e um vocalista que fugia totalmente dos padrões mais extremos, o grupo contava com o talento de Joey Belladonna. Músico possuidor de muita técnica, melodia e alcance de notas mais altas, sendo praticamente um vocal de Heavy Metal em uma banda de Thrash. Em 1987 emplacam o seu maior sucesso de vendas e adicionam ainda mais elementos ao gênero.




7 - Sodom - Agent Orange (1989)

Na contramão do que estava sendo apresentado no mercado estadunidense, os alemães do Sodom não queriam saber de se desviar de suas raízes extremas e apresentaram ao seu fiel público, o majestoso “Agent Orange”. Um disco melhor produzido que seus antecessores, porém com a musicalidade totalmente brutal de sempre. É um marco pois é o primeiro registro de Thrash Metal a entrar nas paradas de sucesso alemãs.




8 - Kreator - Extreme Agression (1989)

Ao mesmo tempo em que o estilo se lapidava e alcançava mais e mais pessoas, as bandas se aprimoravam tecnicamente e começavam a definir identidades sólidas. O Kreator atinge a sua maturidade musical na mesma época em que o estilo também atinge o seu ápice, o resultado é um trabalho altamente técnico, bem produzido e nem por isso, menos furioso. Um dos álbuns que melhor definem a evolução do gênero.




9 - Megadeth - Rust In Peace (1990)

Dave Mustaine é um dos nomes mais importantes quando o assunto é o Thrash. Além de participar ativamente da composição de diversas canções que integraram “Kill ‘Em All”, lançou trabalhos de alto nível a frente do Megadeth. Cercado de ótimos músicos, os discos compostos por Mustaine sempre tiveram como principal característica a técnica. “Rust In Peace” é o ápice da musicalidade e técnica exibida no Thrash e assombrou a todos na virada da década de 80. O que viria a seguir eram anos duros para o estilo, pois os anos 90 que se iniciavam, seriam marcados pela derrocada do gênero e ascensão de outras sonoridades, tornando o quarto álbum do Megadeth, uma espécie de divisor de águas.




10 - Sepultura - Chaos AD (1993)

Pode soar estranho um registro concebido quase 10 anos após o trabalho que é considerado “marco zero” do estilo, mesmo assim ser considerado um pilar de sustentação, porém “Chaos AD” foi o último disco capaz de ditar tendências e adicionar elementos ainda não utilizados ao Thrash Metal antes da sua iminente queda. Além disso, o gênero passava por uma fase em que seus principais nomes se rendiam aos caprichos das gravadoras e lançavam álbuns mais amenos, fazendo com que a musicalidade do quarteto mineiro, ganhasse proporções gigantescas.




Antes que me esquartejem em praça pública por não ter citado o Pantera, deixo claro que os considero a maior banda de Metal na década de 90. Também deixo claro que maior não significa melhor, porém o serviço que prestaram a música extrema foi de total importância e relevância. Não estão presentes na lista pois possuem uma musicalidade ímpar, usam elementos de diversos estilos e entre eles, algumas características do Thrash, porém não os considero como um grupo genuinamente pertencente ao gênero e portanto, impossível de ser listada.

Como nada na música pode ser considerado 100% verdade ou definitivo, muitos vão incluí-los e isto não está totalmente errado, são apenas visões diferenciadas sobre um mesmo tema.

Até a próxima lista e Keep Thrashing!


Escrito por  Fabio Reis